Por que os idosos consomem muitos medicamentos genéricos

Alguma vez você já se perguntou por que os idosos consomem muitos medicamentos genéricos? As doenças crônicas afetam mais de 57 milhões de brasileiros. 

Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), aproximadamente, um em cada quatro indivíduos, com idade superior a 60 anos, é portador de diabetes, uma das doenças crônicas que mais atingem os brasileiros. 

Ao mesmo tempo, 60% dos idosos têm hipertensão, outro tipo de doença crônica. 

Dessa forma, essas e outras doenças crônicas exigem tratamento diário e contínuo, o que demanda altos gastos com medicamentos.

E para que os cuidados com a saúde não consumam todo o orçamento familiar – que, muitas vezes, é enxuto na terceira idade –, os idosos recorrem aos preços mais acessíveis dos medicamentos genéricos.

Nesse sentido, a confiança neste tipo de medicamento também aumenta. Mais médicos confiam e prescrevem e mais pacientes idosos confiam.

Assim, eles entendem que não há por que pagar mais caro se existem opções seguras e eficazes a um menor custo. 

Além disso, a economia financeira gerada pela escolha de medicamentos genéricos, têm impactos positivos na vida do idoso.  Uma vez que torna-se possível cuidar da saúde e bem-estar de forma geral e efetiva. 

Os genéricos e a economia

“Sem os genéricos, muitas pessoas não teriam condições financeiras de tomar continuamente essas medicações. Com a economia gerada, ao optar pelos genéricos, os idosos – em especial – podem efetivamente cuidar bem da saúde.”

É o que afirma a presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (Pró Genéricos), Telma Salles.

Os gastos com medicamentos são a principal preocupação dos brasileiros na aposentadoria. É o que revela um estudo do Instituto Ipsos, realizado em parceria com a Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi).

O item gastos com medicamentos foi mencionado por 57% dos entrevistados.

Medicamentos genéricos mais procurados pelos idosos

As classes terapêuticas mais buscadas entre os idosos são aquelas voltadas para o tratamento de doenças crônicas.

Devido ao aumento progressivo no número de idosos no Brasil, os medicamentos voltados ao tratamento desses males apresentam um crescimento constante e significativo.

De acordo com dados fornecidos pela IQVIA, os medicamentos usados para o controle do colesterol, entre junho de 2017 e junho de 2018, cresceram 38,8%, enquanto os similares 15,3%. 

No mesmo período, este desempenho é semelhante ao observado entre os medicamentos diuréticos usados no controle da hipertensão. 

Os genéricos aumentaram 24,9% e os similares 164,6%. De acordo com a Pró Genéricos, o crescimento volumoso nas vendas dos genéricos fez com que a categoria ganhasse participação de mercado. 

Entre 2015 e 2017, as vendas de genéricos para o controle de colesterol saltou de 44% para 58%. Os medicamentos para hipertensão também registraram avanços relevantes. 

A participação no mercado total de anti-hipertensivos saltou de 64% para 70%. 

E você, conhece algum idoso que depende de medicamentos genéricos para dar continuidade a algum tratamento? Comente aqui. 

Leia mais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Comentários

2 respostas

    1. Olá, Genice! Ficamos muito felizes com você aqui no nosso blog. Continue acompanhando nossos conteúdos e as novidades por aqui! 🙂 Abraços.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Participe da nossa newsletter e mantenha-se informado!