Os 5 tipos de antibióticos mais usados

Para começar, antibióticos são substâncias, desenvolvidas a partir de fungos, bactérias ou elementos sintéticos.

Dessa forma, se usados incorretamente ou sem recomendação médica, podem causar resistências e efeitos colaterais desnecessários. 

Uma vez que que os antibióticos podem eliminar também bactérias benéficas para o organismo. 

Como, por exemplo, as que vivem nos intestinos e na pele, podendo levar ao surgimento de candidíase, diarreia ou infecções de pele, além de tornar o tratamento da doença mais difícil.

Descoberto em 1928, a penicilina foi o primeiro antibiótico produzido e amplamente utilizado na medicina. 

De lá para cá, ela deu origem a várias outras estruturas semelhantes.

Conheça os nomes dos 5 antibióticos mais usados para o tratamento de infecções.

Amoxicilina 

Pertencente ao grupo das penicilina ela é indicada, sobretudo, ao tratamento de infecções como, por exemplo, pneumonia, bronquite, amigdalite, sinusite, infecções urinárias ou vaginais, da pele e das mucosas.

Azitromicina

Age impedindo que as bactérias cresçam e se reproduzam, além disso ajuda em sua resultando na sua eliminação. 

Geralmente, é indicada no tratamento de infecções do trato respiratório, como por exemplo, sinusite, faringite ou amigdalite; infecções da pele e tecidos moles, otite média aguda e em algumas doenças sexualmente transmissíveis.

Cefalexina

Age destruindo as bactérias que causam a infecção. 

Geralmente é usada em sinusites, infecções do trato respiratório, como por exemplo, otite média, infecções da pele e tecidos moles, infecções ósseas, do trato geniturinário e infecções dentárias.

Ciprofloxacino

Indicado para o tratamento de infecções.  

Sejam respiratórias, no ouvido, olhos, rins, pele, ossos ou órgãos reprodutores, assim como para o tratamento de infecções generalizadas.

Tetraciclina

Geralmente, indicado para o tratamento de infecções causadas como brucelose, gengivite, gonorreia ou sífilis. 

A tetraciclina é contraindicada na gravidez, lactação e para pacientes com hipersensibilidade às tetraciclinas ou aos componentes da fórmula.

É importante ressaltar que todo antibiótico só deve ser utilizado sob orientação de um médico. 

Além disso, também só pode ser comprado mediante a apresentação de uma receita. 

Dúvidas comuns em relação ao uso de antibióticos:

  • Antibiótico engorda?


    De forma geral, os antibióticos não têm como efeito colateral a perda de peso ou aumento do apetite.

    Mesmo assim, alguns deles podem causar má digestão e excesso de gases, podendo causar inchaço no abdômen, o que pode ser confundido com aumento de peso. 

  • Antibiótico corta o efeito do anticoncepcional?


    São poucos os antibióticos que reduzem o efeito dos anticoncepcionais. Nesse sentido, estudos recentes comprovaram que apenas a rifampicina e a rifabutina mostraram interferir com a sua ação.

  • Preciso tomar a caixa de antibiótico até ao fim?


    O antibiótico deve sempre ser tomado até ao fim ou durante o tempo que o médico indicar. 

Em outras palavras, não deve ser deixado de lado mesmo quando existem sinais de melhora após os primeiros dias de tratamento.

Em alguns casos, as pessoas que sentem melhoras têm tendência em parar de tomar o antibiótico antes do tempo recomendado.

Mas, não o devem fazer, porque as bactérias responsáveis por causar a infecção podem não ter sido todas eliminadas. 

  • O álcool corta o efeito do antibiótico?

    O álcool não corta o efeito do antibiótico, entretanto pode diminuir a sua eficácia.

     

    Isso porque o álcool tem efeito diurético, o que pode facilitar a saída do medicamento na urina e diminuir a sua concentração na corrente sanguínea. 

Compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais e ajude outras pessoas a entender melhor como os antibióticos funcionam.

Fonte 


 Leia mais:

Medicamentos referência, similar e genéricos: qual a diferença?

Qualidade de vida e a importância de cuidar de si mesmo

5 formas simples de aumentar a qualidade de vida

Vitamina D: sua importância e como ela age no organismo

Imunidade baixa? Conheça os sintomas e o que fazer para tratar.

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Participe da nossa newsletter e mantenha-se informado!