Endometriose: o que é, causas e tratamento

Cólicas intensas, dores fortes durante as relações sexuais, ciclos menstruais longos e desconforto, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a endometriose afeta cerca de 10% da população feminina brasileira. 

Com maior concentração entre mulheres de 25 a 35 anos de idade, a doença é uma das principais causas da infertilidade feminina.

Porém, mesmo se tratando de uma doença já conhecida no meio feminino, muitas mulheres desconhecem as reais consequências que ela é capaz de provocar no corpo, o que gera dúvidas na hora do diagnóstico e tratamento. 

A seguir, você vai entender melhor a doença, os impactos que ela traz para a vida da mulher e como realizar um tratamento eficiente. Acompanhe!

O que é a endometriose? 

Toda a estrutura interna do útero é revestida por uma mucosa, o endométrio. É ele quem permite, por exemplo, que o óvulo se instale ali para que possa ser fecundado pelo espermatozoide, gerando uma gravidez.

Quando não há fecundação, boa parte dessa estrutura é eliminada pelo próprio corpo junto ao sangue, fenômeno conhecido como menstruação. O que sobra é regenerado pelo próprio corpo no ciclo menstrual que se repete todos os meses. 

Acontece que algumas células do endométrio podem se deslocar no sentido contrário e ao invés de descerem pela vagina vão para outras regiões como, por exemplo, ovários, tubas, intestinos, bexiga e peritônio.

Quando esse tecido cresce fora do útero, a paciente é diagnosticada com endometriose.

Causas

As causas da endometriose ainda não são totalmente esclarecidas. No entanto, diversas constatações já foram feitas sobre a doença e servem como base para grande parte dos médicos. 

A primeira delas aponta que os fatores genéticos são uma grande evidência desta doença. Sendo assim, há um risco maior de desenvolvê-la se a mãe ou irmã também já tiveram o diagnóstico comprovado. 

Outros indícios apontam que a imunidade baixa também contribui para o surgimento da doença, uma vez que ela impede que as células do endométrio não morram, mas se espalhem em outros locais do corpo. 

Sintomas

O principal sintoma da endometriose é a dor em forma de cólica durante o período menstrual. É aí que mora o problema!

Isso porque cada mulher reage de uma forma diferente neste período, algumas com dores mais longas e outras com poucas alterações. Por se tratar de um sintoma tão comum, a maioria não consegue distinguir a endometriose do início de mais um ciclo menstrual.

Além de manter visitas constantes ao ginecologista, a recomendação é procurar um médico quando a cólica for particularmente mais intensa, chegando a impedir atividades diárias e persistir mesmo após tomar os medicamentos que está acostumada. 

Outros sintomas para ficar atenta são: 

  • dor durante as relações sexuais; 
  • alterações intestinais (como diarréia); 
  • alterações urinárias;
  • sangramento menstrual intenso e irregular;
  • dificuldade de engravidar. 

Diagnóstico e tratamento

O exame ginecológico clínico é o primeiro passo para o diagnóstico, que pode ser confirmado por exames laboratoriais e de imagem.

Uma vez que a doença é identificada, o tratamento varia de acordo com vários fatores, como a idade, a gravidade dos sintomas e se a mulher pretende ou não ter filhos.

O primeiro modo de tratamento utilizado para a doença é a recomendação de medicamentos que servem para amenizar a dor ou diminuir o estrogênio no corpo, já que a substância favorece o desenvolvimento da endometriose. 

Em outros casos, o médico poderá sugerir a realização de cirurgia como a laparoscopia, na qual é feita a remoção do foco da doença ou a retirada de órgãos, como os ovários e o útero. 

Neste último caso, porém, é necessária avaliação cuidadosa da paciente, pois a retirada dos órgãos reprodutores irá impedir a gravidez natural futura.

Dessa forma, antes de qualquer decisão, é importante recorrer ao médico, pois é ele quem irá informar qual o medicamento ou ação é mais recomendada para o seu caso. 

Fontes: Biblioteca Virtual em Saúde (BVS); Manual MSD; Ministério da Saúde.

Leia mais:

Por que os idosos consomem muitos medicamentos genéricos

Qualidade de vida e a importância de cuidar de si mesmo

Vitamina D: sua importância e como ela age no organismo

Enxaqueca: 4 dicas simples que te ajudam no tratamento

Dores de Cabeça: conheça os tipos mais comuns e como tratá-las!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Participe da nossa newsletter e mantenha-se informado!