Câncer de colo do útero: sinais para ficar em alerta.

Com cerca de 570 mil casos novos por ano no mundo, o câncer do colo do útero é o quarto tipo de câncer mais comum entre as mulheres.

O Brasil apresenta taxas de incidência e mortalidade elevadas em relação aos países desenvolvidos com programas de detecção precoce de Câncer de Colo Uterino.

A doença pode ser ocasionada tanto por fatores internos quanto externos. No entanto, 70% dos cânceres de colo são causados por infecções persistentes por Papilomavírus Humano, o HPV.

Essa infecção, na maior parte dos casos, só começa a apresentar sintomas quando atinge um estágio mais avançado. Isso dificulta o diagnóstico precoce em situações onde não haja um programa de triagem de câncer de colo uterino bem estruturado

Acesso à informação correta e de qualidade pode facilitar o diagnóstico e encaminhamento precoce de uma paciente para seu correto tratamento.

Continue a leitura e fique por dentro de tudo o que você precisa saber sobre o câncer de colo do útero, seus sintomas e a importância do diagnóstico precoce. Acompanhe!

Câncer de colo do útero: o que é?

Em sua definição básica, o câncer do colo do útero é caracterizado pela multiplicação desordenada de células do revestimento do colo do útero. Elas podem inclusive invadir órgãos próximos ou à distância.

A doença, primariamente, está localizada na parte inferior do útero que se conecta à vagina.

Causas do câncer de colo do útero

O câncer de colo do útero é causado principalmente pela infecção persistente por alguns tipos do Papilomavírus Humano – HPV.

O HPV é um vírus comum transmitido de uma pessoa para outra durante as relações sexuais. Boa parte das pessoas sexualmente ativas terá HPV em algum momento de suas vidas, mas nem todas desenvolverão câncer de colo do útero.

O exame preventivo (conhecido também como Papanicolau) pode identificar essas alterações que, na maioria dos casos, são curáveis.

Fatores de risco

Há alguns fatores de risco que podem aumentar as chances da pessoa desenvolver câncer de colo uterino. Esses incluem:

  • Início precoce da atividade sexual e múltiplos parceiros;
  • Tabagismo;
  • Histórico familiar;
  • Sistema imunológico enfraquecido;
  • Uso prolongado de pílulas anticoncepcionais;
  • Outras doenças sexualmente transmissíveis (DST).

Sinais e sintomas de alerta

Geralmente sem sintomas na fase inicial, o câncer de colo do útero possui um desenvolvimento lento e silencioso. Entretanto, quando aparecem, podem ser:

  • Sangramento vaginal incomum: após a relação sexual, ou fora do período menstrual ou após a menopausa;
  • Corrimento incomum, em alguns casos acompanhado de mal cheiro;
  • Fadiga e perda de peso;
  • Dor abdominal e pélvica;
  • Dor ao urinar.

Como seus sintomas são pouco específicos, a investigação periódica deve estar sempre presente nas consultas de rotina.

O que fazer em caso de suspeita?

Quando surgem mais de um dos sintomas ou sinais que citamos no texto, é importante passar por uma consulta com seu médico ginecologista de confiança, para que assim você possa investigar e saber se pode estar diagnosticada com câncer de colo de útero.

A detecção precoce oferece maior chance de tratamento. Se diagnosticado na fase inicial, as chances de cura do câncer de colo uterino podem chegar a 100%.

Exame preventivo

A principal estratégia para detectar é com o exame preventivo do câncer do colo do útero (Papanicolau). O exame pode ser feito em postos ou unidades de saúde da rede pública, consultórios ou clínicas

De maneira geral, é um exame simples e rápido de ser realizado. Recomenda-se não ter relações sexuais (mesmo com camisinha) no dia anterior ao exame e, nas 48h anteriores, evitar uso de medicamentos vaginais, duchas e anticoncepcionais locais.

É importante também não estar menstruada, porque a presença de sangue pode alterar o resultado. Mulheres grávidas também podem se submeter ao exame, sem prejuízo para sua saúde ou a do bebê.

Quando realizar o exame preventivo?

Mulheres ou qualquer pessoa com colo do útero, na faixa etária de 25 a 64 anos e que já tiveram atividade sexual, devem realizar o exame.

O ginecologista no momento da avaliação determinará a necessidade de repetição desse exame anual ou até a cada três anos, de acordo com o resultado do exame.

Prevenção

Várias medidas podem ajudar a reduzir as chances de desenvolver câncer câncer de colo do útero, dentre elas:

  • Tomar vacinas contra o HPV;
  • Usar preservativo;
  • Não fumar;
  • Praticar atividades físicas;
  • Fazer os exames de rotina periodicamente;
  • Cuidar da higiene íntima;
  • Utilizar preferencialmente também um preservativo quando não possuir um parceiro fixo.

Vale ressaltar que estes, e outros exames de caráter preventivo, devem ser feitos ao menos uma vez no ano, e não só quando se tem algum sintoma.

Fontes: Instituto Nacional de Câncer (INCA); Sociedade Brasileira de Patologia (SBP); Biblioteca Virtual em Saúde (BVS); Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO).

INTERNATIONAL AGENCY FOR RESEARCH ON CANCER (IARC). Cancer today. Lyon: WHO, 2020. Disponível em: https://gco.iarc.fr/today/home Acesso em: 03 maio 2021.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA). Estimativa 2020: A incidência do Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2019. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//… Acesso em: 12 maio 2021.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA). Detecção precoce do câncer. – Rio de Janeiro : INCA, 2021a.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA). Atlas da mortalidade. Rio de Janeiro: INCA, 2021b. 1 base de dados. Disponível em: https://www.inca.gov.br/app/mortalidade Acesso em: 18 jan 2021.

Revisão: Dr. Fábio Cavalcanti de Faria Vieira. Médico Especialista em Endocrinologia e Metabologia – RQE 8454. Mestre em Ciências Médicas (UFSC). Membro Titular da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). CRM SC 15456.

Leia mais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Participe da nossa newsletter e mantenha-se informado!