Tosse: qual xarope eu tomo?

O ato de tossir pode ser considerado um mecanismo de defesa ou reflexo do corpo que busca expelir algum incômodo nas vias respiratórias. 

Ainda que seja uma queixa muito comum nos consultórios, é comum que esse problema não gere uma visita imediata ao médico, situação que muda com a sua persistência. 

Caso ela persista por até duas semanas, é considerada aguda, já a partir da terceira, pode ser nomeada como crônica e requer cuidados específicos. 

Os tipos de tosse 

Existem tipos diferentes de tosse, que por suas características podem ajudar a identificar a causa desse sintoma. 

A tosse seca, por exemplo, tem por característica ser intensa e, às vezes, dolorosa, além de poder trazer rouquidão e deixar a garganta muito irritada.

Já a tosse produtiva, também conhecida como “tosse cheia”, é caracterizada pela produção de secreção nas vias respiratórias (muco ou catarro). O som emitido ao tossir é diferente e é facilmente identificado. 

Seja qual for o tipo, todo sintoma de tosse possui tratamento e medicamentos específicos, sendo o xarope o mais inespecífico, uma vez que trata os sintomas sem tratar a causa.

Porém, mesmo sendo uma forma de cuidado tradicional, é importante ficar atento para não correr o risco de escolher o medicamento ou dosagem errada e acabar comprometendo todo o tratamento. 

Por isso, selecionamos algumas orientações especiais para não errar na hora de comprar e consumir qualquer xarope caso a tosse apareça. 

Xarope não é tudo igual 

É comum no Brasil ir até a farmácia e comprar diversos tipos de xaropes sem qualquer receita ou orientação médica.

Porém, atrás do medicamento “docinho” e aparentemente inofensivo, há uma série de riscos se tomados de forma incorreta, como problemas cardíacos e reações alérgicas.

Por isso, assim como toda automedicação, o uso indevido do xarope pode trazer reações adversas e até mesmo o agravamento do problema.

Qual o xarope certo para a sua tosse?

Quando se trata de combate à tosse, antes de qualquer medicamento, é fundamental salientar a importância de aumentar a ingestão de água. 

No entanto, caso o problema persista uma solução pode ser o xarope. Para isso, é importante conhecer o tipo ideal para o seu modelo de tosse. Assim, não há o risco de agravar os sintomas. 

Há basicamente três tipos de xaropes para tosse: antitussígenos, expectorantes e mucolíticos. Os antitussígenos atuam suprimindo ou inibindo a tosse e são indicados para tosse seca. 

Expectorantes estimulam mecanismos que promovem a eliminação do muco. Já os mucolíticos promovem a liquefação do muco tornando-o mais fluido para facilitar sua expulsão. Ambos são indicados para tosse produtiva.

Procure por orientação médica 

Como vimos, a tosse é um mecanismo de defesa que sinaliza para o organismo que algo está perturbando a integridade das nossas vias aéreas.

Por isso, independente do tipo de xarope escolhido, é importante evitar a automedicação e procurar por orientação médica para que toda a sua medicação seja prescrita com base na origem do seu problema. 

Durante esse tempo, a principal orientação é manter a hidratação constante e limpar o nariz com soro fisiológico ao longo de todo o dia.

Fontes: Guia da Farmácia, Farma Delivery, Cuidados pela Vida

* Revisão médica: Dra. Juliana Buzinaro Ribeiro, Gerente Médica do Grupo NC

Leia mais:

Medicamentos referência, similar e genéricos: qual a diferença?

Insônia: o que fazer para dormir melhor.

Opinião: Variantes e 3ª dose: estamos no caminho certo da imunização?

Motivação, força de vontade e o sentido de vida

Colesterol: por que você precisa ficar de olho nele?

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Participe da nossa newsletter e mantenha-se informado!